DISCIPLINA: HDL5027 – Do Cinema ao videoclipe: um debate sobre a estética da imagem nas perspectivas benjaminiana, da teoria feminista e do debate decolonial

 

Docentes: Diego dos Santos Reis; Giselle Gubernikoff; Mônica Guimarães Teixeira do Amaral
    
Início: 10 de agosto de 2021
Dia da semana: terças-feiras
Horário: 19h30 às 22h30
Modalidade: à distância – plataforma Google Meet
Nº de Créditos: 08

 

Período de Inscrições

Aluno Regular
Pré-matrícula: 05 a 11 de julho de 2021
Sistema Janus 

Aluno Especial, UNESP e UNICAMP
05 a 18 de julho de 2021
15 vagas
Mais informações: Inscrição Aluno Especial, Aluno UNESP E UNICAMP – 2º semestre 2021 | DIVERSITAS (usp.br)

 
PROGRAMA
 
Objetivos
O predomínio da tecnoimagem anunciada por Vilém Flusser na era pós-histórica e o choc póstumo propiciado pela fotografia e o cinema (Benjamin, 1936) – e hoje pelos videoclipes – podem conduzir tanto a um estado de irreflexão quanto à reposição objetivadora de uma experiência em declínio (Adorno, 1967). O cerne desta discussão envolve a possibilidade de se jogar com e contra o aparelho, por meio da técnica de produção da imagem cinematográfica, envolvendo a decupagem e a montagem, cenas do presente e do passado (imagens de arquivo), mudanças de foco, a ironia, o jogo lúdico, a identificação e a sedução. O objetivo do curso é refletir sobre algumas produções significativas do videoclipe e do cinema, com ênfase na estética da montagem como estratégia de formação/implicação subjetiva do público. Uma atenção especial será dada à teoria feminista do cinema, às estéticas decoloniais e seus arquivos, com vistas a problematizar a estereotipização das representações femininas e a sub-representação da população negra na produção cinematográfica. E, por fim, analisar como estas questões são enfrentadas pela produção de videoclipes de rappers brasileiros e estrangeiros, bem como no videoativismo de cineastas negras.

Justificativa
O debate sobre a estética da imagem envolvida na produção cinematográfica encontra-se cada vez mais associado à linguagem digital no mundo contemporâneo, conferindo outra configuração às tecnoimagens enunciadas por Flusser, além de propiciar uma nova dimensão às estéticas afro-feministas e ao debate decolonial. Daí a importância de se propor um curso que aponte para a genealogia da imagem cinematográfica e suas intersecções com a teoria feminista do cinema e, na atualidade, com as estéticas feministas e o debate decolonial.

Conteúdo
Vilém Flusser (1985) anuncia a falência da escrita que se agudiza com o surgimento e predomínio da tecnoimagem na era pós-histórica, cujos processos de desumanização e de irreflexão podem ser enfrentados por meio da estética do jogo e do improviso, que nos faz lembrar o jogo lúdico da lembrança e do esquecimento, tão caros a Benjamin (1939) e a Freud (1914) e, mais contemporaneamente, aos rappers. A ideia é explorar a genealogia da estética da montagem cinematográfica desde o seu surgimento com Griffith e com a vanguarda russa, além do efeito Kuleichov e da montagem dialética, núcleo em que se forma o cineasta russo Sergei Eisenstein e que dá origem ao cinema como arte. Trata-se, igualmente, de abordar a teoria feminista no cinema, que aprofunda a discussão entre as representações no cinema e criação de estereótipos, e a linguagem digital dos clipes, em que as imagens de arquivo tornam-se fundamentais para fomentar o debate decolonial. O curso propõe, desse modo, uma análise da imagem cinematográfica e dos efeitos estéticos da técnica da montagem, baseado no debate da teoria crítica benjaminiana da fotografia e do cinema, da teoria feminista e da decolonialidade.


Bibliografia
ADORNO, Theodor W. Portrait de Walter Benjamin. In: ___. Prismes - Critique de la culture e société. Paris: Payot, [1955] 1986, p. 201-213.
ADORNO, Theodor W. Educação e Emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, [1971] 1995.
ADORNO, Theodor W. Notas sobre o filme. In: COHN, Gabriel. Theodor W. Adorno. São Paulo: Ática, [1967] 1986, p. 100 -107.
ADORNO, Theodor W. Transparencies on film. In: ____. The culture industry: selected essays on mass culture. Ed. by J.M. Bernstein. London: Routledge, 1992. p. 154-161.
AMARAL, M. do; DIAS, C.; TEJERA, D. B. O. Do cinema de vanguarda ao videoclipe dos Racionais MC’s: uma discussão a partir de Vilém Flusser,Walter Benjamin e T. W. Adorno. Revista Tempos e Espaços em Educação, Sergipe, Brasil, v. 11, n. 24, p. 111-126, jan./mar. 2018. http://dx.doi.org/10.20952/revtee.v11i24.7643.
ANTONACCI, Antonieta. Decolonialidade de corpos e saberes: ensaio sobre a diáspora do eurocentrado. In: ____. Memórias ancoradas em corpos negros. 2ª. ed. São Paulo: Educ, 2016.
BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de suas técnicas de reprodução. In: Textos escolhidos. Walter Benjamin, Max Horkheimer, Theodor W. Adorno, Jürgen Habermas. Trad. J. L. Grünnewald. São Paulo: Abril Cultural, [1936] 1980a, p. 3-28. (Os pensadores).
BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. Trad. Jeanne Marie Gagnebin; Marcos Müller. In: LÖWY, Michael. Walter Benjamin: aviso de incêndio. Uma leitura das Teses “Sobre o conceito de história”. São Paulo: Boitempo, 2005.
BERNARDINO-COSTA, Joaze.; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (Org). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.
CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Disponível em: https://www.geledes.org.br/enegrecer-o-feminismo-situacao-da-mulher-neg…;
DELEUZE, Gilles. Cinema I: A imagem-movimento. São Paulo: Brasiliense, 1983.
DE OTO, Alejandro. Notas preliminares sobre el archivo en contextos poscoloniales de investigación. In: BIDASECA, Karina. (Org.) Genealogías críticas de la colonialidad en América Latina, África, Oriente. Buenos Aires: CLACSO/IDAES, 2016. p. 263-274.
FLUSSER, Vilém. Filosofia da Caixa Preta: Ensaios para uma futura filosofia da fotografia. São Paulo: Ed. Annablume, 2011.
FLUSSER, Vilém. A escrita: Há futuro para a escrita? São Paulo: Ed. Annablume, 2010.
FLUSSER, Vilém. O universo das imagens técnicas. Elogio da superficialidade. São Paulo: Ed. Annablume, 2008.
FREITAS, Kenia; BARROS, Laan. Experiência estética, alteridade e fabulação no cinema negro. Eco-Pós, UFRJ, vol. 21, n. 3, 2018. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/eco_pos/article/view/20262.
GONZÁLEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/271077/mod_resource/content/… .
GUBERNIKOFF, Giselle. Cinema, identidade e feminismo. São Paulo: Pontocom, 2016. Disponível em: http://www3.eca.usp.br/sites/default/files/form/biblioteca/acervo/texto…;
HANSEN, Miriam Bratu. Cinema and experience: Siegfried Kracauer, Walter Benjamin, and Theodor W. Adorno. Berkeley, Los Angeles, London: University of California Press, 2012.
JACOBS, Lewis. A Aventurosa História do Cinema Americano. Vol. 1. Barcelona: Palabra en el Tiempo. 1971 (edição original de 1939).
KAPLAN, E. Ann. A Mulher e o Cinema: Os dois lados da câmera. Rio de Janeiro:         Artemídia/ Rocco. 1995. 
METZ, Christian. Ensaios sobre a Significação no Cinema. Vol. I e II. Paris: Ed. Klincksick.  1972.
NASCIMENTO, Beatriz. Orí. In:______. Beatriz Nascimento, quilombola e intelectual: Possibilidades nos dias da destruição. Diápora Africana: Editora Filhos da África, 2018. p. 341-343.
SANTOS, Rudi. Técnicas Narrativas. In: Manual do Vídeo. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1993. 
RODRIGUES, Chris. O Cinema e a Produção: Para quem gosta, faz ou quer fazer cinema. Rio de Janeiro: Ed. Lamparina, 2007.
RACIONAIS MC’S. Sobrevivendo no inferno. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.
REIS, Diego dos Santos. Estéticas afro-decoloniais e narrativas de corpos negros: arte, memória, imagem. Revista da ABPN, vol. 12, n. 34, set.-nov. 2020, p. 774-801. Disponível em: https://abpnrevista.org.br/index.php/site/article/view/847/989 
ROSE, Tricia. Black Noise: rap music and Black culture in contemporary America. Hanover & London: Wesleyan University Press, 1994.
SUSSEKIND, Flora. O negro: metáfora, arlequim e personagem. In: ___. O negro como arlequim: teatro & discriminação. Rio de Janeiro: Achiamé, 1982. p. 15-20. 
 
Forma de Avaliação: 
Trabalho a ser entregue no final do curso.