DISCIPLINA: HDL5027 – Do Cinema ao Videoclipe: Um Debate Sobre a Estética da Imagem nas Perspectivas Benjaminiana, da Teoria Feminista e do Debate Decolonial

Docentes: Profa. Dra. Giselle Gubernikoff

                   Profa. Dra. Mônica do Amaral

                   Prof. Dr. Diego Reis

Início: 12 de março de 2020

Dia da semana: quintas-feiras

Horário: 19h30

Local: Casa de Cultura Japonesa (Av. Prof. Lineu Prestes, 159 – Cidade Universitária)

Nº de Créditos: 08

 

PROGRAMA

 

Objetivos

O predomínio da tecnoimagem anunciada por Vilém Flusser na era pós-histórica e o choc póstumo propiciado pela fotografia e o cinema (Benjamin, 1936) e hoje, pelos vídeoclipes, podem conduzir tanto a um estado de irreflexão, quanto à reposição objetivadora de uma experiência em declínio (Adorno, 1967). O cerne desta discussão envolve a possibilidade de se jogar com e contra o aparelho, por meio da técnica de produção da imagem cinematográfica, envolvendo a decupagem e a montagem, cenas do presente e do passado (imagens de arquivo), mudanças de foco, a ironia, o jogo lúdico, a identificação e a sedução. Promove-se, assim, uma espécie de dialética de aproximação e de distanciamento, capaz de conduzir seja à desumanização, seja à ressignificação a posteriori e ao engajamento estético. A ideia do curso é justamente percorrer produções cinematográficas significativas do cinema norte-americano, russo e brasileiro, e ainda do videoclipe, com ênfase na estética da montagem como estratégia de formação/implicação subjetiva do público. Uma atenção especial será dada à teoria feminista do cinema, às estéticas afro-feministas, aos arquivos coloniais para pensar a decolonialidade por meio das memórias ancoradas em corpos negros, além de refletir sobre a sub-representação da população negra na produção cinematográfica. E, por fim, analisar como estas questões são enfrentadas pela produção de videoclipes de rappers brasileiros e estrangeiros, bem como no videoativismo de cineastas negras.

 

Justificativa

O debate sobre a estética da imagem envolvida na produção cinematográfica encontra-se cada vez mais associado à linguagem digital no mundo contemporâneo, conferindo outra configuração às tecnoimagens enunciadas por Flusser, além de propiciar uma nova dimensão às estéticas afro-feministas e ao debate decolonial. Daí a importância de se propor um curso que aponte para a genealogia da imagem cinematográfica e suas intersecções com a teoria feminista do cinema e, na atualidade, com as estéticas feministas e o debate decolonial.

 

Ementa

Vilém Flusser (1985, 1987) anuncia a falência da escrita que se agudiza com o surgimento e predomínio da tecnoimagem na era pós-histórica, mas cujos processos de desumanização e de irreflexão decorrentes podem ser enfrentados por meio da estética do jogo e do improviso, que nos faz lembrar do jogo lúdico da lembrança e do esquecimento, tão caros a Walter Benjamin (1939) e a Freud (1914)  e mais contemporaneamente aos rappers. A ideia é explorar a genealogia da estética da montagem cinematográfica desde o seu surgimento com David W.Giffith e da vanguarda russa, do efeito Kuleichov e da montagem dialética, núcleo em que se forma o cineasta russo, Sergei Eisenstein (diretor de Encouraçado Potemkin, 1925 e Outubro, 1927), e que dá origem ao cinema como arte. Para em seguida, abordar a participação feminista no cinema e a linguagem digital dos clipes, em que as imagens de arquivo tornam-se fundamentais para fomentar o debate decolonial. O curso será ilustrado com projeções de filmes e videoclipes, como ponto de partida para uma análise da imagem cinematográfica, dos efeitos estéticos da técnica da montagem, baseado no debate da teoria crítica benjaminiana da fotografia e do cinema, da teoria feminista de cinema e da decolonialidade dos corpos negros.

 

Conteúdo

1. A genealogia da técnica da montagem e seus efeitos estéticos no cinema:

  • As influências das técnicas de montagem e decupagem de David W. Giffith  em Fritz Lang/Chaplin e Eisenstein
  • Efeito Kuleichov – Montagem dialética
  • Pravda – o cinema olho – O homem com a camera

 

2. Cinema, choc póstumo e experiência: um debate entre W. Benjamin e Theodor W. Adorno

  • A fotografia e a decadência da aura no advento da modernidade
  • Do realismo ao improviso no cinema (Encouraçado Potemkin, de Eisenstein)  e no clipe (Fight the power, de Public Enemy, 1990)
  • Imagens de arquivo e as técnicas de montagem: choc póstumo e reposição de experiência (Marighella, dos Racionais MC’s, 2017)
  • A música rap, a cultura afro e a produção de videoclipes – Can’t truss it, de Public Enemy, 1991.

3. Arquivos coloniais, silenciamentos, “restos” e identidades racializadas:

  • A (des)colonização dos discursos e dos imaginários na representação histórica
  • Decolonialidade de corpos e saberes: a ferida, o trauma colonial, os rastros
  • Poéticas do inventário na arte e imagens sensíveis no presente: entre o político e o poético
  • O testemunho, a inscrição e o (ir)representável (“O papel e o mar”, de Luiz Antônio Pilar, 2010)

4.  A teoria feminista de cinema:

  • Cinema de ficção, cinema de identificação. Psicanálise, semiótica e cinema.
  • O star system americano. Mulher e mercadoria.
  • Cinema de mulheres.

Projeção do filme Dogville (2003), de Lars von Trier

5. Feminismos negros e decoloniais: em direção a uma estética afro-feminista?

  • Feminismo afro-latino-americano
  • Feminismo decolonial
  • A memória e a ancestralidade (Um dia de Jerusa, 2014, de Viviane Ferreira)
  • Videoativismo negro (A boneca e o silêncio, 2015, de Carol Rodrigues)

6. A filosofia da caixa preta e as tecnoimagens- segundo Vilém Flusser

  • As tecnoimagens na era pós-histórica- da fotografia ao cinema

7. Perfomances afro-diaspóricas e as representações do negro na cultura

  • Para além dos estereótipos, arquétipos e caricaturas

 

Forma de Avaliação

O aluno deverá realizar as leituras previstas semanalmente, participar das discussões em sala de aula e apresentar um trabalho escrito que contemple a análise de um filme ou de um clipe, apoiando-se no debate teórico proposto pelo curso. Fará parte do trabalho assistir um filme/videoclipe sobre a vida urbana e as produções culturais de resistência das mulheres e corpos negros.

 

Bibliografia

ADORNO, Theodor W.(1955).Portrait de Walter Benjamin. In: Adorno,T.W. Prismes - Critique de la culture e société. Paris: Payot, 1986, p. 201-213.

ADORNO, Theodor W. (1971) Educação e Emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ADORNO, Theodor W.(1967). Notas sobre o filme. In: COHN,Gabriel. Theodor W. Adorno. São Paulo: Ática, 1986, p.100 -107.

AMARAL,M. do, DIAS, C. e TEJERA, D. B. Olmedo. Do cinema de vanguarda ao videoclipe dos Racionais MC’s: uma discussão a partir de Vilém Flusser,Walter Benjamin e T. W. Adorno. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, Sergipe, Brasil, v. 11, n. 24, p. 111-126, jan./mar. 2018.http://dx.doi.org/10.20952/revtee.v11i24.7643 | ISSN: 1983-6597 (versão impressa); 2358-1425 (versão online).

ANTONACCI, Antonieta. “Decolonialidade de corpos e saberes: ensaio sobre a diáspora do eurocentrado”. In: ____. Memórias ancoradas em corpos negros. 2ª. ed. São Paulo: Educ, 2016.

BENJAMIN, Walter. (1936). A obra de arte na época de suas técnicas de reprodução. In: Textos escolhidos. Walter Benjamin, Max Horkheimer, Theodor W. Adorno, Jürgen Habermas.Tradução de J. L. Grünnewald. São Paulo: Abril Cultural, 1980a,p. 3-28. (Os pensadores).

BENJAMIN, W. Sobre o conceito de história. Trad. Jeanne Marie Gagnebin; Marcos Müller. In: LÖWY, Michael. Walter Benjamin: aviso de incêndio. Uma leitura das Teses “Sobre o conceito de história”. São Paulo: Boitempo, 2005.

BERNARDINO-COSTA,J.MALDONADO-TORRES,N.,GOSFOGUEL,R.(orgs). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Ed., 2019.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Disponível em: https://www.geledes.org.br/enegrecer-o-feminismo-situacao-da-mulher-negra-na-america-latina-partir-de-uma-perspectiva-de-genero/

DE OTO, Alejandro. Notas preliminares sobre el archivo en contextos poscoloniales de investigación. In: BIDASECA, K. (Org.) Genealogías críticas de la colonialidad en América Latina, África, Oriente. Buenos Aires: CLACSO/IDAES, 2016.   p. 263-274.

DUARTE, Rodrigo. Pós-história de Vilém Flusser: Gênese- anatomia-desdobramentos. São Paulo, Anablume, 2012.

FLUSSER,Vilém. Filosofia da Caixa Preta – ensaios para uma futura filosofia da fotografia. São Paulo: Ed.  Annablume, 2011.

FLUSSER,Vilém. A escrita- há futuro para a escrita? São Paulo: Ed. Annablume, 2010.

FLUSSER, Vilém. O universo das imagens técnicas. Elogio da superficialidade. São Paulo: Ed. Annablume, 2008.

FLUSSER, Vilém. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: UBU Editora, 2017.

FREITAS, Kenia; BARROS, Laan. Experiência estética, alteridade e fabulação no cinema negro. Eco-Pós, UFRJ, vol. 21, n. 3, 2018. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/eco_pos/article/view/20262.

GONZÁLEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/271077/mod_resource/content/1/Por%20um%20feminismo%20Afro-latino-americano.pdf .

GUBERNIKOFF, G. (2016). Cinema, identidade e feminismo. São Paulo: Pontocom. Recuperado em: http://www3.eca.usp.br/sites/default/files/form/biblioteca/acervo/textos/002791622.pdf (O aparato cinematográfico).

HANSEN, Miriam Bratu. Cinema and experience – Siegfried Kracauer, Walter Benjamin, and Theodor W. Adorno. Berkeley, Los Angeles, London: University of California Press, 2012.

JACOBS, Lewis. A Aventurosa História do Cinema Americano. Vol. 1. Barcelona: Palavra en el Tiempo. 1971 (edição original de 1939).

KAPLAN, E. Ann. A Mulher e o Cinema: Os dois lados da câmera. Rio de Janeiro:         Artemídia/ Rocco. 1995.

KUHN, Annette. Cinema de Mulheres: Feminismo e Cinema.  Madri: Catedra Signo e Imagem. 1991.

METZ, Christian.  “Ensaios sobre a Significação no Cinema” Vol. II. Paris: Ed. Klincksick.  1972.

  • ______ ; e outros. “Psicanálise e Cinema”. São Paulo: Global Ed. 1980.

Flusser, Vilém. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: UBU Editora, 2017.

JACOBS, Lewis. A Aventurosa História do Cinema Americano. Vol. 1. Barcelona: Palavra en el Tiempo. 1971 (edição original de 1939).

LUGONES, María. Hacia un feminismo descolonial. Trad. Gabriela Castellanos. La manzana de la discordia, jul.-dez.2011, vol. 6, no. 2, p. 105-119.

METZ, Christian.  “Ensaios sobre a Significação no Cinema” Vol. II. Paris: Ed. Klincksick.  1972.

  • ______ ; e outros. “Psicanálise e Cinema”. São Paulo: Global Ed. 1980.

SANTOS, Rudi. Técnicas Narrativas, in Manual do Vídeo, Rio de Janeiro, ed. UFRJ, 1993.

RODRIGUES, Chris. O Cinema e a Produção, Para Quem Gosta, Faz ou Quer Fazer Cinema. Rio de Janeiro: Ed. Lamparina, 2007.

RACIONAIS MC’S. Sobrevivendo no inferno. São Paulo: Companhia das Letras,2018.

RANCIÈRE, Jacques. “O destino das imagens”. In:___. O destino das imagens. Trad. Mônica Costa Netto. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012. p. 9-32.

ROSE, Tricia. Black Noise – rap music and Black culture in contemporary America. Hanover & London: Wesleyan University Press, 1994.

RUFINO, Luiz. Performances afro-diaspóricas e decolonialidade: O saber corporal a partir de Exu e suas encruzilhadas. Revista Antropolítica, n. 40, Niterói, p. 54-80, 2016.

SUSSEKIND, Flora. “O negro: metáfora, arlequim e personagem”. In:___. O negro como arlequim: teatro & discriminação. Rio de Janeiro: Achiamé, 1982. p. 15-20.

XAVIER,G,FARIA,J.B E GOMES,F (orgs). Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012.

Curtas Metragens: O Papel e o mar (2010), de Luiz Antônio Pilar; O dia de Jerusa (2014), de Viviane Ferreira; e A boneca e o silêncio (2015), de Carol Rodrigues.

Clipes:

Mil faces de um homem leal – música do clipe Marighella (2012/13), dos Racionais MC’s.

Can’t Truss it, de Public Enemy. 1ª versão: Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=icpMj1dgf8U;

Can’t Truss it, de Public Enemy. 2ª versão: Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=am9BqZ6eA5c.

Fight the power, de Public Enemy. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=am9BqZ6eA5c.

 

Filmes:

O Encouraçado Potemkin (1925), de Sergei Eisenstein.

Outubro (1927), de Sergei Eisenstein.

Do the right thing (1989), de Spike Lee.

Dog Ville (2003 ), de  Lars Von Trier.

 

Documentários:

The hip-hop evolution: the South Bronx is burning (2016). Diretores: Darby Wheeler, Sam Dunn (co-diretor).

Filme-documentário: Ori, de Raquel Gerber (1989).