educação

A questão da educação na obra de Jean-Jacques Rousseau

Autor: 
José Benedito de Almeida Júnior
Ano: 
1998
Resumo / Abstract: 

O objetivo deste trabalho é analisar alguns aspectos relativos à questão da educação na obra de Rousseau. No primeiro capítulo, analisaremos a educação da natureza tal qual foi elaborada no Emílio. Nesta obra, Rousseau reflete sobre o desenvolvimento da criança e propõe objetos e formas de abordagem adequadas às diferentes idades. Desde exercícios físicos até a inserção de Emílio no mundo da moral e da política, momento fundamental, pois coroa todo o processo formando o homem da natureza. No segundo capítulo analisamos a educação pública exposta por Rousseau nas Considerações sobre o governo da Polônia e no Economia Política. Esta forma de educação está fundada nos mesmos princípios pedagógicos do Emílio, isto é,para cada idade um objeto e uma forma de abordagem que lhe é propícia. Contudo, a educação pública se diferencia da educação da natureza no que se refere ao seu caráter coletivo, mas fundamentalmente porque é própria aos povos livres, ao passo que aquela do Emílio não passa de um recurso para salvar uma alma em meio à corrupção. No terceiro capítulo, propomos uma interpretação da obra do legislador como sendo uma obra educacional, porque transforma os homens ao levar o amor de si a se transformar em amor à pátria, impedindo-o de se tornar amor-próprio. Este processo de transformação é o próprio espírito de sua obra tal como, segundo Rousseau, realizaram Moisés, Licurgo e Numa, pois suas leis tinham por objetivo afeiçoar os cidadãos entre si e à pátria. Este é o único meio de tornar um povo de fato livre, pois dá às almas uma forma nacional fazendo de um grupo de homens uma nação.

Para acessar o texto clique aqui

 


 

Área do Conhecimento: 
Filosofia

Da invisibilidade à construção da própria cidadania. Os obstáculos, as estratégias e as conquistas do movimento social das pessoas com deficiência no Brasil, através das histórias de vida de seus líderes

Autor: 
Ana Maria Morales Crespo
Ano: 
2010
Resumo / Abstract: 

No período entre 1975-85, setores da sociedade, como trabalhadores, mulheres, negros e homossexuais se mobilizaram por direitos e contra a discriminação. (GOHN, 2003, p. 113-125). Na mesma época, as pessoas com deficiência, até então invisíveis, também se organizaram num movimento nacional para reivindicar não apenas direitos, mas, também, reconhecimento de existência. Sob a perspectiva teórica da História Oral, o objetivo deste projeto é desvelar as estratégias, os anseios, as dificuldades, as conquistas, e as perspectivas de futuro desse movimento. A História Oral se preocupa e tem compromisso social marcado pela voz dos excluídos e tem como fundamento reconhecer a cidadania de grupos oprimidos" e " instrumentar as lutas por direitos humanos na democracia". (MEIHY, 2005, p. 238) Assim, o emprego dos preceitos da História Oral, neste projeto, visa dar voz a quem nunca antes falou por si mesmo e reconhecer as pessoas com deficiência como sujeitos de sua própria história e não como objetos de estudo. A comunidade de destino estudada é a condição da deficiência e o que ela significa numa sociedade que desconhece os direitos das pessoas deficientes. A colônia entrevistada, formada por líderes do movimento, divide-se em duas redes: participantes de organizações de pessoas deficientes e participantes de organizações prestadoras de serviço para essas pessoas. Ambos os grupos podem ter pessoas com ou sem deficiência. A história oral de vida reúne experiências subjetivas a contextos sociais e, desse modo, presta-se de modo singular à análise e à interpretação, pois, possibilita compreender a parte histórica dos fenômenos individuais e a porção individual dos fenômenos históricos. A análise será feita a partir do conjunto das entrevistas. É do diálogo entre elas que os significados emergirão. A importância acadêmica deste trabalho é contribuir para o empoderamento das pessoas deficientes e cooperar para que as próximas gerações de cidadãos brasileiros, com ou sem deficiência, estejam mais bem equipadas para perseverar na construção de uma sociedade inclusiva.

Para acessar o texto clique aqui

 


 

Área do Conhecimento: 
História Social

Experiências em movimento: alimentação, cidadania e lutas sociais na Zona Leste de São Paulo (1993-2006)

Autor: 
André Luzzi de Campos
Ano: 
2010
Resumo / Abstract: 

Trata-se de investigação histórica sobre as lutas contra à fome e à miséria em São Paulo na região leste da cidade. O trabalho busca estabelecer uma relação entre a produção de Josué de Castro sobre a questão da fome e o trabalho desenvolvido pela Ação da Cidadania, tendo como seu principal articulador o sociólogo Hebert de Souza, o Betinho. Procura, ainda, analisar de forma retrospectiva os papéis desempenhados pelos diferentes agentes históricos no período de 1993 a 2006, que compreende o processo de consolidação democrática no Brasil, marcado pela ampla mobilização social contra à fome e à miséria, ao momento hodierno com a implantação de políticas públicas voltadas à promoção do direito humano à alimentação e promulgação da Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional.

Para acessar o texto clique aqui

 


 

Área do Conhecimento: 
História
Área Específica: 
História do Brasil
Divulgar conteúdo