Glauber Rocha

Revolução do Cinema Novo

Título Original: 
Revolução do Cinema Novo
Autor: 
Glauber Rocha
Local: 
Rio de Janeiro
Editora: 
Alhambra/Embrafilme
Ano: 
1981

O cinema tricontinental e Glauber Rocha: política, estética e revolução (1969-1974)

Autor: 
Maurício Cardoso
Ano: 
2007
Resumo / Abstract: 

Esta tese tem por objetivo analisar três filmes do cineasta brasileiro Glauber Rocha realizados no exterior: O leão de sete cabeças (Congo/Itália/França, 1970), Cabeças cortadas (Espanha, 1970) e História do Brasil (Cuba/Itália, 1972-74, co-dirigido por Marcos Medeiros). Parte-se do entendimento que a produção de significados da obra cinematográfica (as escolhas estéticas e a manipulação da linguagem) expressa as determinações e as influências do processo histórico (das relações sociais e econômicas, da produção da cultura e da experiência pessoal do cineasta). A atuação internacional de Glauber Rocha, entre 1969 e 1974, foi delineada pela realização destes filmes, a publicação de artigos e entrevistas em periódicos europeus e latino-americanos e, finalmente, a participação em festivais, encontros e congressos de cinema. Estas formas de ação consolidaram as idéias e os anseios do cineasta, bem como explicitaram as fronteiras e os impasses as suas expectativas. Acreditamos que os filmes analisados constituem o núcleo dinamizador de um projeto formulado por Glauber Rocha de integração política e estética das cinematografias dos países pobres dos três continentes (América Latina, África e Ásia). O cineasta denominou este projeto de Cinema Tricontinental, inspirado no internacionalismo revolucionário de Che Guevara. Nossa tese pretende demonstrar que o Cinema Tricontinental fez convergir um programa político de unidade do Terceiro Mundo, uma criação estética pautada na incorporação da religiosidade popular e uma perspectiva de revolução social - simultaneamente, utópica e redentora.

Para acessar o texto clique aqui

 


 

Área do Conhecimento: 
História
Área Específica: 
História Social

História do Brasil, um filme de Marcos Medeiros e Glauber Rocha

Autor: 
Maurício Cardoso
Ano: 
2007
Área do Conhecimento: 
História
Área Específica: 
História do Brasil / História e Cinema
Resumo / Abstract: 

Artigo publicado em CAPELATO, Maria Helena et. alii. História e Cinema: Dimensões Históricas do audiovisual. São Paulo: Alameda Casa Editorial, 2007, v.01, pp. 149-170.   Em 1968, Glauber iniciou as filmagens de seu primeiro longa-metragem a cores, O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro que lhe rendeu, no ano seguinte, a Palma de Ouro de melhor diretor no Festival de Cannes. Além disso, lançado no Brasil, o filme tornou-se seu maior sucesso de público e seria, para Glauber, a síntese possível entre uma obra popular, comercial e sem concessão estética.

Para acessar o texto clique aqui

 


 

Divulgar conteúdo