Sexualidades singulares nem sempre são perversões

Autor: 
Mara Selaibe
Ano: 
2011
Área do Conhecimento: 
Psicologia
Resumo / Abstract: 

O artigo descreve, do ponto de vista psicanalítico, os trâmites da formação da sexualidade no adulto e busca evidenciar que elas são sempre singulares. Por mais que impliquem em arranjos extravagantes isso não impele as formas da psicossexualidade inelutavelmente ao campo das perversões; este infringe especificidades éticas e legais que o inscrevem como transgressão, como crime a ser juridicamente punido. Para enfrentar essa discussão, a autora parte da questão da sexualidade infantil e da formação/ discriminação entre o eu e o não-eu, tomando como ponto de partida o narcisismo primário. A abordagem discute, ao longo do texto, a questão da tolerância e da intolerância no trato da sexualidade tendo em conta a convivência e a cidadania.

Para acessar o texto clique aqui