Artigos e Entrevistas do Grupo de Pesquisa Cidadania, Direitos e Educação

Sergio Ferrari

Pequena reflexão, de autoria de Sérgio Ferrari, realizada na ocasião da comemoração dos 60 anos da Declaração dos Direitos Humanos.

Para acessar o texto clique aqui

 


 

Maurício Cardoso

Artigo publicado em CAPELATO, Maria Helena et. alii. História e Cinema: Dimensões Históricas do audiovisual. São Paulo: Alameda Casa Editorial, 2007, v.01, pp. 149-170.   Em 1968, Glauber iniciou as filmagens de seu primeiro longa-metragem a cores, O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro que lhe rendeu, no ano seguinte, a Palma de Ouro de melhor diretor no Festival de Cannes. Além disso, lançado no Brasil, o filme tornou-se seu maior sucesso de público e seria, para Glauber, a síntese possível entre uma obra popular, comercial e sem concessão estética.

Para acessar o texto clique aqui

 


 

Roberta Borrione
ENTREVISTA ZILDA MÁRCIA GRÍCOLI IOKOI
SOBRE EDUCAÇÃO
Entrevista: Zilda Iokoi
Entrevistadora: Roberta Borrione
Data: 21/12/2006
Horário: 14:30
Local: sala da professora no prédio de História e Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP

Para acessar o texto clique aqui

 


 

 

Fernanda Sucupira

Publicado originalmente na revista "Carta Maior". Esta matéria dá início a uma série sobre diferentes formas de impunidade nos casos de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes e do papel a ação da Justiça nesses casos. Além disso, serão apresentadas experiências positivas nessa área em diferentes lugares do país, políticas públicas e projetos de lei que favorecem a responsabilização.

Para acessar o texto clique aqui

 


 

Zilda Márcia Gricoli Iokoi

This paper is the investigation about the international migration phenomenon it is necessary to consider it a continuous movement of people dislocations based on needs, the curiosity about what lies beyond the horizon, and on exchanges and wars. At a time when spaces are shrinking, when local knowledge is permanently fed by global knowledge, the flow of people has been gaining a particular dynamism. Migrations have created the cities that nowadays manage the – real or imaginary fo the globalization process. Oral history, in this way, acquired an epistemological potential, a radical contribution, upon the recognition of the fact that the sources, their veracity or their absence is not what counts. First of all, one needs to criticize the instrumental reason that has prevailed in the social sciences and the scientific justification of knowledge and social comprehension. Rivera states that it is not the method that ensures adequate or reliable knowledge, but what the scientist chooses to pick or discard for investigation. Oral history permitted native and mestizo intellectuals to work together in the recovery of social phenomena where ‘the others’ spoke. Invisible and excluded people started to orally record their ways of making their historical narratives before the evolutionist and scientificist logic of colonialism of knowledge.

Para acessar o texto clique aqui

 


 

Janaína de Almeida Teles

Trecho:Em setembro de 2006, o juiz Gustavo Santini Teodoro, da 23ª Vara Cível de São Paulo, acolheu Ação Declaratória impetrada pela família Almeida Teles contra Carlos Alberto Brilhante Ustra (comandante do DOI-CODI de São Paulo entre 1970 e 1974) por entender que a ofensa aos direitos humanos não está sujeita a prescrição. Em novembro ocorreu a primeira audiência, quando foram ouvidas as testemunhas de acusação. O réu não compareceu. As testemunhas indicadas por ele - quase todos generais - serão ouvidas nos respectivos estados onde residem, uma maneira de postergar a sentença do juiz. Artigo publicado na revista Teoria e Debate. São Paulo, Ed. Fundação Perseu Abramo, no.69, ano 20, jan./fev. 2007

Para acessar o texto clique aqui

 


 

Cláudia Moraes de Souza

Originalmente publicado em HISTÓRICA. Revista Eletrônica do Arquivo do Estado. Imprensa Oficial: ed.03, julho de 2005. Trecho do artigo:A década de 50 e os princípios dos anos 60 testemunharam o surgimento, em todo o continente americano, de um conjunto de iniciativas em educação de adultos e capacitação de um amplo contingente de trabalhadores, que naquele momento, compunham as surpreendentes estatísticas que revelavam os altíssimos índices de analfabetismo e baixa escolarização da população latino-americana. Neste contexto,a Educação Rural ganhou importante dimensão, gerando um conjunto de ações e projetos educacionaisrelacionados à capacitação individual e formação agrícola do trabalhador rural, que se espalharampelos territórios americano e brasileiro.

Para acessar o texto clique aqui

 


 

Mauricio Santoro e Janaína Teles

Está em curso na Argentina, no Chile e no Uruguai uma nova onda de valorização da memória histórica sobre as ditaduras militares dos anos 70 e 80. A discussão ultrapassou os círculos políticos e acadêmicos e alcançou, de modo contundente, o cotidiano e a cultura popular. O processo se insere em um quadro político mais amplo: a ascensão às presidências sul-americanas de governos de esquerda, nesta primeira década do século XXI, e os debates sobre o aprofundamento da democracia. No Brasil, passado mais um "31 de março", é de se perguntar: e nós?   Texto publicado no Caderno Aliás. O Estado de S. Paulo, 29 abr. 2007, p. J5

Para acessar o texto clique aqui

 


 

Adriana Marcolini

Entrevista de Janaína Teles para o artigo de Adriana Marcolini em "Mundo vê pouco avanço na questão dos desaparecidos", publicado na Folha de S. Paulo, dia 03/09/2006.

Para acessar o texto clique aqui

 


 

Janaína de Almeida Teles

A ação política das famílias de mortos e desaparecidos políticos visando legitimar a expressão pública da dor e realizar o luto, iniciada nos anos de 1970, tem enfrentado diversos limites decorrentes dos caminhos percorridos pela transição à democracia no Brasil. Ao protagonizarem a luta por "verdade e justiça", assumiram um importante papel nos embates contra a ditadura e no processo de redemocratização do país, se tornaram os portadores da memória das violações dos direitos humanos desse período, mas a interdição do passado não lhes permitiu concluir o luto. Procuro aqui, traçar alguns dos limites jurídicos e políticos que impedem seu desfecho. Texto preparado para a comunicação apresentada no debate: Direito, Censura e Imprensa após a vigência da Constituição Federal de 1988, evento promovido pelo Curso de Direito do Centro Universitário Nove de Julho-UNINOVE, que ocorreu no anfiteatro Unidade Vila Maria, em 7 de fevereiro de 2006.

Para acessar o texto clique aqui